A população está pronta para retornar os treinos nas boxes e nos ginásios? Esta é a questão por que muitos anseiam receber a resposta. 

Na quinta-feira passada, José Carlos Pereira, presidente da Associação de Ginásios e Academias de Portugal (AGAP) propôs ao Secretário de Estado da Juventude e Desporto, medidas excepcionais que permitam a reabertura dos espaços de treino.

Onde se destacam 3 pontos relevantes: a gestão do espaço, distanciamento de segurança e medidas de higiene. 

Antes da reabertura dos espaços de treino, neste caso das boxes, os proprietários deverão cumprir adaptações temporárias de modo a respeitar o distanciamento de segurança e as medidas de prevenção do contágio do Covid-19. 

As principais medidas que estas entidades terão de realizar após a abertura resumem-se nos seguintes tópicos: 

  • Limitação do tempo de permanência de cada cliente a 1 hora e horários indicados estritamente para pessoas mais velhas; 
  • O chão deverá estar sinalizado com marcas que evidenciam o distanciamento mínimo obrigatório entre cada 2 pessoas; 
  • Colocação de proteções de acrílico ou vidro no balcão
  • Proibição de exercícios a pares ou que impliquem mais do que um atleta em cada quatro metros quadrados; 
  • Evitar o contacto físico entre os instrutores e os clientes.

Sendo que a AGAP procura adaptar Portugal às medidas tomadas por outros países europeus, José Carlos Reis ainda afirmou “É todo um conjunto de procedimentos que vamos ter que reajustar para abrir em segurança, para que as pessoas se sintam seguras e para que também consigamos que não haja casos de contaminação por covid-19 nos nossos clubes”. 

Aguardando a decisão para a reabertura das boxes e dos ginásios, o presidente da associação considera importante o papel do Governo em mostrar que a prática do exercício físico está diretamente relacionado com a promoção de saúde, prevenção de doenças e é um meio que permite a redução dos custos no Serviço Nacional da Saúde. 

“A única grande vantagem desta pandemia no contexto desportivo foi o reconhecimento do valor e da importância do exercício físico na vida de cada um.”

Por fim, nos documentos que AGAP entregou ao Governo refere-se que “A grande maioria dos clubes tem uma quebra superior a 50% da faturação, alguns clubes deixaram mesmo de faturar aos clientes. O prolongamento da situação” além de maio vai “significar o encerramento de muitos clubes que empregam em Portugal cerca de 17.000 profissionais”.

Será que as boxes de Crossfit estão a sentir os mesmos efeitos de quebra na faturação como estão os ginásios? 

E tu, estás pronto para voltar a treinar na tua box?

Entra na discussão e partilha a tua opinião connosco!

Fonte: https://www.jn.pt/nacional/ginasios-apresentam-ao-governo-medidas-para-retomar-atividade-12086525.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Name